sábado, 8 de novembro de 2008

Obamania: esperança ou euforia?

Na última semana, todos soubemos, depois de cobertura monstruosa da mídia, processo de votação que deixaria até Chuck Norris confuso e de alguns soldados americanos terem torturado uns prisioneiros iraquianos em Abu Ghraib, quem será o cara que decidirá o rumo de nossas vidas nos próximos quatro anos: senhoras e senhores, o presidente dos Estados Unidos da América "F...dona" do Norte será Barack Obama!

Com o slogan "CHANGE - we need" (que no idioma do Manoel e da Maria quer dizer "Mudança - nós precisamos"), o democrata desbancou o republicano e ex-combatente no Vietnã John McCain ("camarada" partidário do dublê de presidente George Walker - agora descobrimos o que queria dizer o W. - Bush) em votação histórica, na qual praticamente a Fiel Torcida (força de expressão, "mano") foi às urnas - para quem não sabe, a votação por lá é facultativa, ou seja, vota quem quiser... ao contrário do que ocorre num lugarzinho onde há palmeiras nas quais sabiás cantam e a galera canta "Eu nunca vou te abandonar".

Pois é, seguramente haverá mudanças - para melhor -, por motivos que é melhor serem deixados subentendidos... mas até em que ponto elas, de fato, ocorrerão? Ponderemos: o cara é o primeiro presidente negro da história da América (fato este que tem de ser comemorado por, pelo menos , um ano), demonstrou ser ético e humano - especialmente quando foi visitar a sua avó moribunda... se foi jogada política ou não, poucos saberão dizer; mas soou muito bem para muita gente -, é a "encarnação" do novo (politicamente falando) que muitos red necks queriam, contudo, não custa lembrar que ele está vinculado ao partido democrata (o mesmo partido de Bill Clinton - talvez você se lembre do caso Monica Chup... digo, Lewinski - e de Al Gore, o mesmo cara que levou um Oscar por um documentário do tipo "Save the Earth!", mas gasta energia elétrica homericamente em sua casa). Talvez não haja mudanças tão drásticas assim.

Agora me veio à mente um comentário do candidato republicano McCain sobre Obama: o "tio" disse algo como "Obama tem pensamentos socialistas", o que equivale a chamar alguém de fdp na América (aposto que teve barbudo na ilhazinha que fica a 90 milhas de New York City vibrando com esta declaração)... peço desculpas caso estiver sendo repetitivo, pedante e chato "pra p...", mas haverá mudanças seguramente boas, mas não tão intensas assim. Basta citar que, em seu primeiro discurso após preparar as malas para a Casa Branca, Obama disse que o desenvolvimento de energia nuclear no Irã não é legal e tem de ser interrompido... acho que já disseram isso antes.

Mas, contudo, todavia, entretanto (ou qualquer porcaria de advérbio de contratiedade que existir), a Obamania chegou a proporções que levariam ao Faustão dizer "Ô loco, meu!". Kele Okereke, vocal/guitarra do Bloc Party (aquela banda inglesa que tem sons muito loucos, mas que fez a "cagada" do ano no último VMB), apareceu em alguns shows com camisetas que tinham o rosto do Obama estampado; no Quênia, onde moram alguns parentes do futuro presidente, haverá feriado em comemoração à eleição do cara; alguns geeks fizeram versão do Super Mario com o democrata como herói e lutando, inclusive, com Sarah "Miss Alasca" Palin (vice na chapa de McCain)... mas nenhuma superou a pérola dita pelo líder da KKK, aquele movimento de anti-semitas xaropetas... o cara somente disse que Obama é meio negro (ou mulato mesmo), pois foi criado por sua mãe, de origem "branca"... sem comentários.

Ainda me esqueci destas: Lil' Bush ainda disse que "o sonho virou realidade" (será que foi alguma alusão a Luther King? e o que ele diria sobre isso tudo?); e Berlusconi (premiê italiano, manda-chuva da Milan e falastrão nas horas vagas) disse que Obama é "jovem, belo e bronzeado" (ouvi bem? bronzeado?) Pegou muito mal para o primeiro-ministro da terra da bota.

Então, o que fazer e o que esperar? Por coisas (bem melhores) em relação à gestão ainda (falta pouco!) vigente... mas não é preciso entrar na onda da euforia que se pode ver por aí.

Um comentário:

valentebordalo disse...

Primeiramente gostaria de parabenizar pelas vertiginosas e insandecidas palavras, quem te viu e quem te vê... ou melhor te lê - é a farça da televisão, vc se acostuma com o audiovisualismo barato -

Mas prosopopéias flácidas a parte gostaria de fazer uma analogia entre o digníssimo Sr. Obama e o Sr. digníssimo Inácio da Silva - vulgo LULA... Porra tinha que ter um polvo no meio do caminho do povo. Tá certo, tá certo foi um trocadilho imbecil, mas falo sobre um frenesie, uma euforia incontida, afinal o cara é o mais novo Sassá Mutema.

Brasileiros, brasileiras, vietnamitas, russos, japoneses e os 2 bilhões de chineses que habitam este planeta... Faço minhas as palavras do povão, e tal como o povão tenho também as minhas esperanças neste novo mandatário do mundo, contudo devemos nos lembrar de que... O CARA NÂO FAZ MILAGRES.

Mas infelizmente outra vez todas as cartas foram dadas, e as apostas levam a um único palpite - OBAMA - mas isso não existe, é um fruto do imaginário coletivo da humanidade, ou vcs acham realmente que os USA's vão parar de usar o planeta em benefício do "American way of life" de que tanto se orgulham?

Ou vão assinar o Protocolo de Kyoto e da noite pro dia todos nós dormiremos tranquilos ao saber que o futuro das próximas cem gerações estará garantido.

Tudo que sei é que nada sei - plagiando a filosofia, até pq são quase 12:30 da madruga e não estou nem um pouco afim de pesquisar quem disse isso - Enfim me lembrei eu sei de uma coisa, enquanto paramos a acompanhar o processo eleitoral mais imbecil do mundo, o tempo não para, a vida continua e permanecemos assim como estamos.

Então só nos resta uma coisa... uma apenas... não sei vc mas eu vou é dormir.

Parabéns novamente, e vamos usar este recurso da maneira correta, asneirando e discutindo o que vier.